Rua Teresa, 1515 Sala 196 - Centro - Petrópolis +55 (24) 2243-7904 +55 (24) 99258-0246 contato@tccassist.com.br

Os dois lados do esquecimento

Os dois lados do esquecimento

A memória pode sofrer impactos de traumas psicológicos ou traumas devido a lesões do tecido cerebral. Nos dois casos costuma-se denominar o esquecimento causado pelo trauma de amnésia.  A amnésia pode ser  devido a esquecimento de um pequeno tempo de vida da pessoa, ou até  mesmo de toda uma vida. Há dois tipos de esquecimento, o chamado normal e o patológico. Denomina-se amnésia retrógrada quando a pessoa se esquece de tudo que se passou em um grande lapso de tempo anterior do trauma. A pessoa pode esquecer-se de quem é, do que fazia, esquece da família, dos amigos, das relações com a comunidade, etc. A amnésia que provoca a dificuldade de criar novas memórias ou de absorver novas informações é denominada amnésia anterógrada. Por exemplo, a pessoa sofre um trauma, um abalo psíquico intenso, decorrente de um acidente. Ela pode esquecer-se de como as coisas ocorreram, pode esquecer-se de quem é, ou, embora se lembre de todo o seu passado é incapaz de relembrar os momentos que sucederam ao acidente. Ela teve um bloqueio, que pode desaparecer em um breve intervalo de tempo ou permanecer por um tempo muito longo na vida da pessoa. Diante da ausência de informação sobre si mesma a pessoa reage de modo distinto do que seria esperado. Há casos de pessoa que perdeu um familiar e vive perambulando pelas ruas da cidade a procura do mesmo, com uma mala com pertences para entrega-lo quando o encontrar.  Ela está acreditando nisso, embora o parente a quem ela espera tenha falecido. No caso de trauma decorrente de sequestro, a vítima tende a reorganizar sua visão de realidade, passando a acreditar que o sequestrador é boa gente, que o trata bem, e não quer o seu mal. Esse fenômeno é conhecido como Síndrome de Estocolmo. Há um bloqueio da memória e um delírio se sobrepõe à visão da realidade. Quanto ao esquecimento dito normal ele ocorre geralmente quando a pessoa tem sobrecarga de informação e a mente parece não dar conta. Nada grave, há os chamados problemas de omissão que são:  -  de transitoriedade quando se tem dificuldade de acesso a informações antigas; - a distração, quando se perde o foco ou se tem dificuldade de manter o foco do problema estudado e; - o bloqueio, quando se tem incapacidade de lembrar algo dado que outras lembranças interferem.  A segunda vertente do esquecimento normal se dá com os problemas de intromissão, que são: - a atribuição enviesada, quando se procura lembrar algo por meio da fonte errada; - a sugestibilidade, quando se tem a tendência de usar a informação de terceiros como se fossem memórias da próprias; -a distorção, quando memórias e experiências prévias são utilizadas como meios para mudar julgamentos futuros, (reflete a dificuldade de lidar com a própria consciência.) e; por último – a persistência, que é uma intrusão insistente de memórias traumáticas, lembranças patológicas que o sujeito não pode esquecer, independentemente do esforço ou do desejo da pessoa afetada. Há ainda dois aspectos relativo ao esquecimento: o lado bom é esquecer as coisas ruins e o lado ruim é que também esquecemos coisas boas. Esse é o  nosso tema de hoje, ...

Assine nossa Newsletter
E fique atualizado!